A Associação Meditar é uma sociedade civil sem fins lucrativos, não religiosa ou doutrinária. O primeiro núcleo surgiu em Porto Alegre-RS, e, atualmente, possui núcleos nas cidades de Santa Cruz do Sul, Lajeado, Novo Hambugo, Santa Maria, São Francisco de Paula, Capão da Canoa, Florianópolis, Chapecó e Cuiabá.

A Associação Meditar se propõe a: Difundir a prática da meditação; Congregar os praticantes da meditação; Coletar e divulgar os benefícios à saúde física e mental promovidos pela prática adequada da meditação; Criar, apoiar e promover a difusão de locais adequados para a prática de meditação (Núcleo ou Centros Meditar) no Brasil e no exterior; inclusive, com sedes rurais para abrigar seus membros em vida comunitária voltada à meditação, ao estudo, ao trabalho natural na terra, à contemplação da natureza.

Dedica-se a orientar a iniciação e o desenvolvimento das pessoas (empresa, escolas, associações) na meditação de forma clara, simples, objetiva e segura; Promover cursos, palestras, workshops, retiros e atividades voltadas à prática da meditação; Incentivar e promover a atitude mediativa, altruísta e pacífica, que implique na paz interna e externa, na não-violência, no respeito pela natureza, alimentação natural, bons valores humanos, no conhecimento e na sabedoria.

A Associação Meditar de Cuiabá se reúne as 4ª feiras - 20 h - e aos sábados - 8 h - para meditar e estudar na Academia Ligia Prieto. Endereço: Rua Min.João Alberto, 137 – Araés - Cuiabá. Informações pelo tel. (65)3052-6634.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

VideoFórum "As religiões do mundo e a ética global"


2º ENCONTRO Cristianismo – Movimentos humanos orientados por Jesus

O cristianismo não é igual a igrejas e nem a uma moral, mas sim é um movimento humano muito mais amplo, orientado por Jesus Cristo, um Jesus nem tanto Deus, mas sim bastante homem. Com isso, o padre espanhol José Cobo, mestre em Teologia, abriu ontem, 13.05, o segundo encontro do videofórum “As religiões do mundo e a ética global”. Antes disso, os participantes assistiram ao documentário sobre o Cristianismo, produzido pelo alemão Hans Küng.

O documentário alinhavou a história do cristianismo, desde o primitivo, praticado na época de Jesus, ao praticado atualmente. Mostrou o cristianismo conservador europeu, forte em ritos e vestimentas, focando a Igreja Ortodoxa Russa. Expôs ainda o cristianismo questionado, por volta do ano 1520, pelo monge alemão Martin Lutero, considerado pai do Protestantismo e reformista da Igreja Católica. Lutero questionou, especialmente, as indulgências, ou seja, o perdão comprado da igreja pelos fiéis. E também falou do cristianismo atual e social, como o praticado na América Latina, que busca resgatar a figura de um Jesus Cristo de pés descalços ao lado dos pobres.

O padre Cobo citou Mateus, capítulo 25, para falar sobre um Jesus vivo e presente e de mão dadas com aqueles que mais necessitam. “Acredito nas conversões junto com o povo; não naqueles que estão com o povo até que conseguem o posto que queriam e aí acabou-se”, ironizou o padre.

Respondendo a uma pergunta da platéia, Cobo avaliou que ser católico ou cristão na América Latina, hoje, é fácil. “Basta não ter medo de sujar os pés e entrar no barro das periferias para escutar as pessoas, se irmanar a elas”.
Antes da fé, diz o padre, é preciso que todos tenham alimento, casa, saúde, educação, isso para a humanidade inteira. “Primo vivere. Primeiro a vida. Isso é importante. Acontece que um grupinho de 10% tesoura todos os nossos bens e não quer abrir mão disso”, critica.

Como o Espiritismo não é citado no documentário sobre o Cristianismo, o padre disse, questionado pela platéia, que, pelo que sabe, trata-se de uma irmandade cuja essência é a caridade e a solidariedade entre irmãos.

Mas destacou que não podemos ser omissos com as “autênticas traições” cometidas pelas igrejas, registradas ao longo da história e ainda hoje. “Não podemos aceitar gato por lebre. Temos que ser muito rigorosos contra isso”, orienta. Sobre a reencarnação, por exemplo, ele questionou as provas. Alertou também para a falsa idéia passada por algumas religiões, de que aqueles que ganham mais dinheiro terão acesso garantido ao céu. “A maior piada que já ouvi foi. Milagre às quartas-feiras, das 15h às 17h. Isso não pode, não pode, é propaganda enganosa”, reagiu. “Deus não é um negociante, então não se pode fazer negócio com ele”.

Ao encerrar a palestra, padre José Cobo se comoveu ao afirmar que “Deus é pai. Nunca podemos aceitar um carrasco”.

O videofórum “As religiões do mundo e a ética global” está dentro da perspectiva do ecumenismo e da campanha mundial pela paz e irá exibir, às quintas-feiras, até 8 de julho, em Cuiabá, documentários sobre nove religiões, seguidos de debate, com a participação de representantes das religiões que serão abordadas. As exibições e os debates serão no Colégio Isaac Newton (CIN), do bairro Baú, das 19h às 21 horas, com entrada franca. Emissão de certificado pela UNISINOS/RS. Critério: 75% de presença.

O videofórum é articulado pelo Centro Burnier Fé e Justiça (CBFJ), o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic) e os movimentos Círculo da Paz e Um Grito pela Paz.

Mais informações e inscrições:
http://www.centroburnier.com.br/2010/03abr/16_video_forum_religioes_mundo.html

Keka Werneck, da Assessoria de Imprensa do Centro Burnier Fé e Justiça

Nenhum comentário:

Postar um comentário