A Associação Meditar é uma sociedade civil sem fins lucrativos, não religiosa ou doutrinária. O primeiro núcleo surgiu em Porto Alegre-RS, e, atualmente, possui núcleos nas cidades de Santa Cruz do Sul, Lajeado, Novo Hambugo, Santa Maria, São Francisco de Paula, Capão da Canoa, Florianópolis, Chapecó e Cuiabá.

A Associação Meditar se propõe a: Difundir a prática da meditação; Congregar os praticantes da meditação; Coletar e divulgar os benefícios à saúde física e mental promovidos pela prática adequada da meditação; Criar, apoiar e promover a difusão de locais adequados para a prática de meditação (Núcleo ou Centros Meditar) no Brasil e no exterior; inclusive, com sedes rurais para abrigar seus membros em vida comunitária voltada à meditação, ao estudo, ao trabalho natural na terra, à contemplação da natureza.

Dedica-se a orientar a iniciação e o desenvolvimento das pessoas (empresa, escolas, associações) na meditação de forma clara, simples, objetiva e segura; Promover cursos, palestras, workshops, retiros e atividades voltadas à prática da meditação; Incentivar e promover a atitude mediativa, altruísta e pacífica, que implique na paz interna e externa, na não-violência, no respeito pela natureza, alimentação natural, bons valores humanos, no conhecimento e na sabedoria.

A Associação Meditar de Cuiabá se reúne as 4ª feiras - 20 h - e aos sábados - 8 h - para meditar e estudar na Academia Ligia Prieto. Endereço: Rua Min.João Alberto, 137 – Araés - Cuiabá. Informações pelo tel. (65)3052-6634.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

"Medicina Interior: a medicina do coração e da mente"


A Associação Meditar de Cuiabá promoveu, neste final de semana (26, 27 e 28), o retiro de meditação intitulado “Medicina Interior: a medicina do coração e da mente”. Cerca de 20 pessoas participaram do evento, ministrado por Ênio Burgos, que é médico, físico, escritor e um dos principais tradutores para o português das obras do monge budistas Thich Nhat Hanh.

Durante 3 dias os participantes tiveram a oportunidade de se aprofundar na prática e no conhecimento da “mente atenta” e da “meditação”, consideradas os pilares mais elevados daquilo que os budistas chamam de caminho óctuplo, ou seja, os 8 passos para se alcançar a consciência da verdadeira natureza de todas as coisas, superando a visão limitada das formas e aparências.

O tema título do retiro, “Medicina Interior: a medicina do coração e da mente”, teve como fundamento o livro homônimo de Ênio Burgos, que discorre sobre o “apego”, a “aversão”, a “indiferença”, “a inveja” e o “orgulho”, considerados as principais causas do obscurecimento da consciência humana e das doenças. O palestrante também apontou o caminho da cura e sanidade , ou seja, os antídotos para superação desses problemas.

Segundo Ênio, é importante que tenhamos consciência da transitoriedade e da interdependência de todas as coisas, desta forma fica mais fácil entende o conceito ilusório de “eu” que construímos ao longo da vida, sem, no entanto, nos extremarmos para o lado do não-eu, pois a visão da verdadeira realidade só pode ser percebida quando adotamos o que Buda chamou de “o caminho do meio”.

Quando perguntado sobre um conselho para o mundo atual, Ênio responde de forma simples “As pessoas devem parar de correr tanto e prestar mais atenção no aqui e agora, porque muitas vezes o reino de Deus esta diante de nós, e não temos olhos e paciência suficientes para reconhecê-lo”.

O trabalho da Associação Meditar começou a 15 anos na cidade de Porto Alegre, e atualmente funciona em 6 cidades Brasileiras. Em Cuiabá a associação existe há 10 anos, com atividades regulares e gratuitas de meditação na Academia Ligia Prieto, localizada no bairro Arraes. O site da entidade é: “associaçãomeditardecuiaba.blogspot.com”.

Retiro Medicina Interior 2011


Queridos amigos, irmãos e irmãs,

foi com o coração terno de alegria e contentamento que finalizamos mais um encontro com o nosso querido amigo Ênio Burgos. Foram momentos especiais, onde pudemos meditar e refletir sobre valores essenciais e universais, indispensáveis para uma vida plena e saudável. A sanidade, o reino de Deus, bem diante de nós!

Agradecemos a todos os participantes, sem os quais nada disso seria possível, em especial a amiga Ligia Prieto, que há 10 (dez) anos, plantou essa semente. Nosso muito obrigada.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Retiro Medicina Interior - 26, 27 e 28 de Agosto - Inscreva-se

* Clique na imagem para ampliar
Informações e inscrição:
Academia Ligia Prieto
(65) 3052-6634

Poema


Mãe Terra

Incontáveis seres respiram juntos
(respiro)
Incontáveis seres moram em um mesmo planeta

Inúmeros seres habitam e sobrevivem uns dos outros...

Girando no espaço, nossa grande mãe, como uma manjedoura...

Preserva e alimenta a todos

Uma acolhedora, insuperável, que gera e propicia que a vida aconteça e se perpetue

Mãe dos homens

Mãe das estrelas

A cada respiração, todos juntos...

(Autor: Ivan Deus Ribas)

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Dalai Lama


Pergunta: Como você se vê?

Resposta: Eu sempre me considerei como um simples monge budista. Eu sinto que esse é o meu verdadeiro eu. Eu sinto que o Dalai Lama como um governante temporário é uma instituição feita pelo homem. Enquanto as pessoas aceitam o Dalai Lama, eles vão me aceitar. Mas ser um monge é algo que pertence a mim. Ninguém pode mudar isso. Lá no fundo, eu sempre me considero um monge, mesmo em meus sonhos. Sendo assim, naturalmente, sinto-me mais como uma pessoa religiosa. Mesmo em minha vida diária, posso dizer que eu gasto 80% do meu tempo em atividades espirituais e 20% sobre o Tibete como um todo. A vida espiritual ou religiosa é algo que eu conheço e pelo qual tenho grande interesse. Tenho uma certa confiança nela e por isso eu quero estudar mais. Em relação à política, não tenho educação moderna com exceção de um pouco de experiência. É uma grande responsabilidade para alguém não tão bem equipado. Isto não é um trabalho voluntário, mas algo que eu sinto que deve prosseguir por causa da esperança e da confiança que o povo tibetano coloca em mim.

Tradução livre realizada por Giovanna Maradei.

Extraído do site: http://www.dalailama.org.br/2011/
***********************************************************************

1. Qual o papel do Dalai Lama para o budismo tibetano?

O Dalai Lama representa para os seguidores do budismo tibetano papel similar ao papa para os católicos, ou ainda mais do que isso: pois, para os fiéis daquela religião, os lamas são vistos como uma reencarnação de Buda. Assim como o papa, ele é designado Sua Santidade. Uma característica marcante da versão tibetana do budismo é a participação intensa da população nos assuntos religiosos. No Tibete, o líder espiritual é venerado de tal forma que chega a dificultar o domínio chinês sobre sua cultura.

2. Como os lamas são escolhidos?

Eles são detectados entre as crianças pelos monges budistas, por meio de sonhos e presságios. A descoberta e verificação do escolhido, no entanto, envolve ainda outros processos. Assim que um Dalai Lama se aproxima da morte e dá indicações sobre seu renascimento, começam as buscas pela criança – que pode se identificar por iniciativa própria ou então ser reconhecida por possuir poderes especiais. A pesquisa é conduzida em segredo, para investigar predições de oráculos, sinais estranhos e fenômenos. Os jovens candidatos são, então, submetidos a uma série de testes. Eles devem, por exemplo, selecionar, de uma gama de objetos, os que já pertenceram a eles na vida anterior – ou seja, em sua vida como o falecido Dalai Lama.

3. Quando um novo lama ascende ao poder?

Os lamas só assumem o poder com a morte de seu antecessor. Como o Dalai Lama é ungido aos 3 anos de idade, um regente é designado para governar até que o escolhido atinja a maioridade. Enquanto isso não acontece, a criança é levada para iniciar seus estudos e treinamentos preparatórios para se tornar o líder espiritual e religioso do Tibete.

4. Desde quando os lamas governam o Tibete?

O atual Dalai Lama, Tenzin Gyatso, é o 14º de uma seita que está no poder desde o século XVII.

5. Por que, no Tibete, o líder espiritual também é o chefe de estado?

O budismo tibetano, em sua formação, preferiu manter-se isolado de influências externas. Dessa forma, o Tibete transformou-se em um estado religioso governado por seu sacerdote supremo e que, durante muito tempo, não manteve relações diplomáticas com nenhum outro país. Isso fez do budismo local uma variante única no mundo. No Tibete, vive-se de acordo com a tradição vajrayana, ou "veículo do raio", caracterizada por conferir mais importância aos aspectos místicos e ritualísticos do budismo, enfatizando, por exemplo, a crença na reencarnação e no ciclo de nascimentos e renascimentos dos indivíduos. A função da crença seria purificar a alma. Por características pessoais e políticas, o atual Dalai Lama preferiu não se manter isolado num monastério como seus antecessores, mas viajar pelo mundo para expor ao grande público os ensinamentos de sua religião e a luta dos tibetanos contra a opressão chinesa.

6. É mesmo possível que o Dalai Lama abandone o poder?

Sim, mas o Dalai Lama pode renunciar apenas ao poder político, que exerce como chefe de estado, e não como líder religioso. Como explicou um de seus assessores, Tenzin Taklha, após a ameaça de renúncia: "Ele será sempre o Dalai Lama". Mas os planos do atual líder budista para deixar o poder político não vêm de hoje. Em 1992, ele publicou, no exílio, as diretrizes para a Constituição de um futuro Tibete livre. Nelas, determinou que sua primeira medida seria estabelecer um governo interino com a principal responsabilidade de eleger uma Assembléia Constituinte – que, por sua vez, deveria criar e implantar uma Constituição democrática. Então, o Dalai Lama prometeu transferir toda a sua autoridade política e histórica para o presidente interino, passando a viver como um cidadão comum.

7. Qual a importância do atual Dalai Lama para a causa tibetana?

Desde que assumiu o poder, em 1950, o atual Dalai Lama afastou-se da tradição vajrayana de isolamento e elegeu como missão espalhar pelo mundo os conceitos básicos do budismo. Dessa forma, uniu seu ótimo trânsito internacional ao fascínio que o misticismo tibetano desperta no Ocidente. Além disso, transformou a causa da libertação do Tibete em um tema mundialmente conhecido. Em dezenas de viagens pelo mundo, foi recebido por vários chefes de estado e, até mesmo, por celebridades. Sua forma de pregar a libertação do Tibete sem o uso da violência lhe rendeu um Nobel da Paz, em 1989. O Comitê Norueguês do prêmio escreveu: "O Dalai Lama, em sua luta para a liberação do Tibete, constantemente se opõe ao uso da violência. Ele, em vez disto, advoga soluções pacíficas baseadas na tolerância e respeito mútuos para a preservação da herança cultural e histórica de seu povo".
* Entrevista publicada na revista Veja, março de 2008.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

domingo, 14 de agosto de 2011

Retiro Medicina Interior - 26, 27 e 28 de Agosto



Queridos amigos, irmãos e irmãs na cultura da paz,

Informamos abaixo a programação do retiro com o Dr. Ênio Burgos, que acontecerá nos dias 26, 27 e 28 de agosto de 2011.

Destacamos que, diferentemente do divulgado anteriomente, o retiro será em Cuiabá, na Academia Ligia Prieto!

Aproveitem, façam suas inscrições! O número de vagas é limitado!!!

Aos participantes, recomendamos a leitura do livro "Medicina Interior, a medicina do coração e da mente"

Retiro Silencioso: “Medicina Interior – A medicina do coração e da mente”
Dias: 26, 27 e 28 de agosto de 2011
Local: Academia Ligia Prieto - CUIABA - MT
Orientador: Ênio Burgos.

Dr. Ênio Burgos é médico, físico e escritor, sendo autor de diversos livros, dentre eles "Medicina Interior, a medicina do coração e da mente". Destacamos ainda o fato de ser tradutor de Thich Nhat Hanh no Brasil.
.
Será um retiro onde estaremos aprofundando a prática da meditação (sentada, andando e na alimentação).
.
Informações e inscrição:
Academia Ligia Prieto
(65) 3052-6634

Gakudo Yojinshu – Guia para a prática do Caminho



Mestre Dogen Zenji completou este tratado para seus discípulos no templo Kosho-ji, em Uji, cidade próxima a Quioto, em 1234 — sete anos após ter retornado da China.

Em seu primeiro tratado ao voltar da China, o Fukan Zazen-gi (Instruções Gerais sobre a prática de Zazen), a ênfase primária é nas instruções práticas de como fazer zazen.

Gakudo Yojin-shu (Pontos a Observar no Estudo do Caminho Budista) é uma explicação mais rigorosa do espírito no qual não apenas zazen mas todas as ações devem ser realizadas.

Iniciando com uma exortação para despertar a mente-bodai, Mestre Dogen Zenji vai adiante e discute a importância do treinamento com um verdadeiro mestre, além de tópicos sobre a relação entre treinamento e iluminação e o significado da prática de zazen.

Muito embora o conteúdo do Shobogenzo (Olho Tesouro do Verdadeiro Darma) seja filosoficamente mais profundo, o Gakudo Yojinshu é muito estimado como um guia de treinamento na escola Soto Zen por quem está realmente envolvido na prática diária do Caminho.

Entre os numerosos trabalhos de Mestre Dogen Zenji, este em particular merece ser lido repetidamente, conforme haja aprofundamento da própria prática pessoal. Embora relativamente curto, apresenta nada menos do que o mapa da Iluminação. (*)

1. A Necessidade de Despertar para a Mente-Bodai (Mente na qual surge o pensamento, o desejo para a Iluminação. Mente à procura do Caminho de Buda que inclui o voto de beneficiar todos os seres)

A Mente-Bodai é conhecida por muitos nomes, porém todos se referem à única e mesma Mente-Buda. O Venerável Nagarjuna(1) disse:

“A capacidade de ver e compreender claramente o fluir incessante do surgir e desaparecer, reconhecendo a natureza transitória de tudo que existe, penetrando a essência das coisas, é chamada de Mente-Bodai”.

Por que, então, a dependência temporária desta mente é chamada de mente Bodai?

Quando a natureza passageira do mundo é realizada, a mente auto-centrada não surge, nem as idéias de fama e proveito aparecem.

O tempo voa rapidamente. Urge a prática dedicada e enérgica, como para apagar chamas ardentes na própria cabeça.

É preciso refletir sobre a natureza efêmera da vida, precaver-se contra as fraquezas do corpo e manter o mesmo esforço de Xaquiamuni Buda ao levantar Seu pé.(2)

Mesmo que ouça a música melodiosa do deus Kimnara e do pássaro kalavinka,(3) não se apegue — sinta apenas como se fosse a brisa da noite soprando em seus ouvidos. Mesmo que veja uma face tão bela como a de Mao-ch’ang ou de Hsi-shih,(4), pense nela apenas como o orvalho da manhã tocando seus olhos.

Libertação das amarras do som e da forma é estar em harmonia com a essência da mente à procura do Caminho

Desde os tempos mais antigos sempre existiram pessoas que ouviram pouco sobre o verdadeiro budismo e outras que não tiveram muitas oportunidades de ouvir, ler ou mesmo ver as escrituras de Buda. A maioria dessas pessoas, quando cai na armadilha da fama e do lucro, perde a essência do Caminho para sempre. Quão lamentável! Que pena! É preciso compreender bem essa situação.

Mesmo ao ler inúmeros ensinamentos, quer dos meios hábeis ou verdadeiros(5) dos mais excelentes Sutras, ou ao transmitir e receber os ensinamentos esotéricos e exotéricos,(6) se a idéia de obter fama e lucro ainda persistir, isso não pode ser chamado de despertar para a mente Bodai.

Alguns dizem que a mente Bodai é o mais alto e supremo estado de iluminação de Buda, livre de fama e lucro. Outros dizem que ela é aquilo que abrange um bilhão de mundos(7) em um único momento de pensamento, ou que é o ensinamento no qual nenhuma delusão surge. Outros ainda dizem que é a mente que entra diretamente no mundo Buda. Estas pessoas, ainda sem entender o que é a mente Bodai, a desvalorizam e caluniam. Elas estão, na verdade, muito longe do Caminho.

Reflita sobre sua mente comum — como está egoisticamente apegada à fama e ao lucro. Está ela possuída pela essência e aparência dos três mil mundos, em um único momento de pensamento? Terá ela experimentado o ensinamento que não desperta uma única delusão? Não! Essa mente apenas conhece e está mergulhada na delusão por fama e lucro. Não pode ser comparada à mente à procura do Caminho, não é digna de ser chamada de mente Bodai.

Desde tempos muito antigos, tem havido pessoas sábias vivendo de forma comum e utilizando métodos mundanos para atingir a iluminação. Mas não se ativeram à fama ou ao lucro. Nem mesmo se apegavam ao Darma de Buda, quanto menos ao mundo comum.

A mente Bodai é, como foi mencionado anteriormente, aquela que reconhece a impermanência — uma das quatro realizações.(8). É completamente diferente da mente das pessoas confusas.

A mente não surgindo e o aparecimento de um bilhão de mundos são práticas muito boas depois de haver despertado a mente Bodai. “Antes” e “depois” não devem ser confundidos nem invertidos.

Esquecer-se de si por uns momentos e permitir que a mente permaneça tranqüila é a mais verdadeira prática do Caminho. Pode ser chamada do despertar da mente Bodai.

O eu é responsável pelas sessenta e duas opiniões pessoais. Assim, quando começarem a surgir muitas opiniões próprias, apenas faça zazen tranquilamente e as observe aparecendo. No que estão baseadas, tanto dentro como fora de você? Seu corpo, pelos e pele vieram de seus pais. Entretanto, as duas gotas de seus pais, vermelha e branca,(9), são vazias, desde o princípio até o final dos tempos. Aqui não há um eu permanente. O que dizer da mente, pensamento, compreensão e conhecimento? O que, em última instância, são o inalar e o exalar? O que amarra uma vida, o que é tudo isto afinal de contas? Nenhuma parte é o eu. Como ficar apegada a qualquer uma delas? Não há nada a se apegar.

A pessoa que vive em delusão se apega a todas as coisas. A pessoa iluminada se liberta de todo e qualquer apego.

Tentar medir a ilusão do eu onde não há um eu, apegar-se às aparências mundanas, apegar-se às coisas que surgem, onde não há surgimento de nada, é negligenciar a prática do Caminho. Por não conseguir cortar as amarras do mundo, você se afasta do verdadeiro ensinamento e corre atrás do falso. Você se atreve a dizer que não está agindo de maneira equivocada?

2. Ao encontrar o Verdadeiro Darma surge a necessidade do treinamento.

Quando um servo fiel oferece um conselho, pode mudar o pensamento do rei e alterar o curso de uma nação.

Quando um Buda Ancestral oferece um ensinamento, deveria poder alterar o curso da mente dos seres.

Entretanto, apenas reis sábios ouvem os conselhos de seus conselheiros, e apenas praticantes excepcionais ouvem as palavras de Buda.

É impossível cortar as fontes de transmigração sem abandonar a mente deludida. Da mesma forma, quando um rei não presta atenção aos conselhos de seus consultores leais, não mais prevalecerá uma política virtuosa, e ele será incapaz de governar bem o país.

3. A Necessidade de Constantemente Praticar e assim Realizar o Caminho

Pessoas comuns acreditam que os postos de governo podem ser alcançados através de estudos. Xaquiamuni Buda ensina que na prática está a iluminação. Nunca ouvi falar de alguém que tenha se tornado membro do governo sem estudar adequadamente. Nunca ouvi falar de alguém que tenha alcançado a iluminação sem praticar.

Embora seja verdade que existam diferentes métodos de treinamento — iniciados pela fé ou pela compreensão do Darma, com ênfase na realização súbita ou gradual(10) — sempre é necessário praticar para realizar iluminação.

Mesmo que a profundidade e a velocidade de compreensão das pessoas sejam diferentes, a posição governamental é obtida quando há experiência acumulada. Isso não depende de habilidade especial ou sorte.

Se o posto de um governante pudesse ser adquirido sem estudo de governança, quem iria transmitir o método pelo qual os reis antigos puderam governar com sucesso, tanto em tempos de ordem como em momentos de desordem?

Caso a iluminação pudesse ser adquirida sem treinamento, quem poderia compreender os ensinamentos do Tathagata(11), distinguindo, como Ele fez, a relação entre delusão e iluminação? Compreenda que embora pratique no mundo da delusão, a iluminação já está presente. Então, pela primeira vez, você perceberá que barcos e canoas de discursos retóricos são apenas sonhos passados e será capaz de cortar para sempre sua visão antiga, amarrada às vinhas e serpentes das palavras.

Buda não impõe essa visão a você. Ela aparece naturalmente a partir de sua prática no Caminho — a prática convida à iluminação. Seu tesouro natural não vem do exterior. Uma vez que a iluminação é uma com a prática, a ação iluminada não deixa traços. Portanto, quando olhar novamente a prática com olhos iluminados, nenhuma ilusão atingirá seus olhos. Nuvens brancas por dez milhões de ri encobrem o céu.

(NT – assim como é, é. Os olhos iluminados são a prática diária sem atributos extraordinários)

Quando a iluminação está em harmonia com a prática, você não pode pisar nem mesmo em um grão de poeira. Se o fizer, estará tão distante da iluminação quanto o céu está da terra.


Retorne ao seu Eu verdadeiro e vá além do nível Buda.

4. A Necessidade de Praticar os Ensinamentos de Buda Sem Idéia de Ganho

Na prática do Caminho é necessário aceitar os ensinamentos verdadeiros de nossos predecessores, colocando de lado nossas idéias pessoais.

O Caminho não pode ser realizado com a mente ou sem ela. A menos que a mente da prática constante seja uma só com o Caminho, nem o corpo nem a mente conhecerão paz. Quando o corpo e a mente não estão em paz, eles se tornam obstáculos à iluminação.

Como harmonizar a prática constante com o Caminho? Para assim o fazer, a mente não pode estar apegada nem rejeitar nada; necessita estar completamente livre do apego à fama e ao lucro. Ninguém se submete ao treinamento budista para os outros. A mente dos praticantes budistas, como a maioria das pessoas de nossa época, todavia, está longe da compreensão do Caminho. Fazem o que os outros elogiam, mesmo sabendo que é falso. Por outro lado, não praticam o que os outros desdenham, mesmo que saibam ser o verdadeiro Caminho. Quão lamentável!

Reflita tranquilamente se suas palavras e ações estão unidas aos ensinamentos de Buda, ou não. Quem sabe não se envergonhará? Os olhos penetrantes dos Budas Ancestrais incessantemente iluminam todo o universo.

Desde que praticantes budistas não fazem nada para si mesmos, como o poderiam fazer pela fama ou pelo lucro? O Darma de Buda só pode ser praticado pelo Darma de Buda. Não é para impressionar os outros nem para sentir-se bem que os vários Budas demonstram sua profunda compaixão por todos os seres. Assim é a tradição budista. O Darma de Buda pelo Darma de Buda.

Observem como até animais e insetos nutrem seus filhotes, suportando grandes dificuldades, várias adversidades. Os pais não esperam ganhar nada com suas ações, mesmo depois dos filhotes atingirem a maturidade. Embora sejam pequenas criaturas, têm profunda compaixão por seus filhotes.

Assim é a relação da compaixão dos vários Budas por todos os seres. O precioso ensinamento desses vários Budas, todavia, não está limitado somente à sua compaixão: aparecem em incontáveis formas através de todo o universo. Esta é a essência do Darma de Buda.

Nós somos crianças Buda. Por isso seguimos as pegadas dos Budas Ancestrais.

Praticantes! Não pratiquem o Darma de Buda para obter fama ou lucro, nem para obter recompensas ou poderes miraculosos. Simplesmente pratiquem o Darma de Buda pelo Darma de Buda: este é o verdadeiro Caminho.

5. A Necessidade de Encontrar um Verdadeiro Mestre.

Um antigo Ancestral do Darma disse em certa ocasião: “Se a mente à procura de Buda não for verdadeira, toda e qualquer prática resultará em nada”. Esta afirmação sem dúvida alguma continua sendo correta. Mais ainda, a qualidade da prática depende da verdade ou falsidade do mestre.

O praticante pode ser comparado a um pedaço de madeira, e o verdadeiro mestre a um bom carpinteiro. A madeira de melhor qualidade não mostrará seu fino veio a menos que seja trabalhada por um bom carpinteiro. Até mesmo um pedaço de madeira empenada, se trabalhada por um bom carpinteiro, logo mostrará seus esplêndidos méritos.

A verdade ou falsidade da iluminação de um mestre está em direta relação com a verdade ou falsidade da iluminação de seus discípulos. Precisamos compreender isto.

Em nosso país, entretanto, não tem havido verdadeiros mestres desde há muito. Como sabemos disso? Observando suas palavras, assim como podemos descrever a natureza da nascente de um rio, retirando uma concha de água de sua correnteza.

Por séculos, neste país, mestres têm escrito livros, ensinado discípulos e oferecido seus ensinamentos a seres humanos e celestiais. Entretanto suas palavras ainda estavam verdes, imaturas, sem atingirem a profundidade da verdadeira prática, sem terem alcançado a realização da unidade prática-iluminação.

Muito ao contrário, apenas transmitiam palavras, fazendo os outros recitarem nomes e repetirem sons. Dia e noite contavam o tesouro dos outros, sem nunca penetrarem sua própria casa do tesouro.

Esses antigos mestres devem ser responsabilizados pelo atual estado de coisas. Alguns deles ensinavam que a iluminação deveria ser procurada fora da mente, outros que o renascimento em outras terras era o objetivo. Esta é a origem de toda confusão e delusão.

Se não forem seguidas instruções corretas, até mesmo o remédio correto pode piorar a doença. Realmente, tomar um remédio pode ser pior até do que tomar veneno. Desde tempos antigos, não tem havido médicos em nosso país capazes de preparem a receita correta ou de distinguirem entre remédio e veneno. Por esta razão tem sido tão difícil penetrar nascimento-morte e eliminar sofrimento e dor. Como, então, esperar libertação do sofrimento da velhice e da morte?

A culpa desta situação é inteiramente dos mestres, não dos discípulos. Por quê? Porque guiam seus discípulos ao longo dos galhos das árvores, sem penetrarem as raízes. Sem terem compreendido e penetrado o Caminho, se entregam unicamente a suas próprias idéias, arrastando outras pessoas para o mundo da delusão. Como se pode esperar que os discípulos saibam a diferença entre o certo e o errado?

Que tristeza! Neste pequeno e remoto país, o verdadeiro Darma de Buda não se espalhou. Verdadeiros mestres ainda estão por nascer.

Se você deseja estudar o insuperável Caminho de Buda, deverá viajar grandes distâncias e visitar mestres na China Sung — e, estando lá, refletir profundamente sobre o verdadeiro caminho, que está muito distante da mente deludida. Se você for incapaz de encontrar um verdadeiro mestre, é melhor não estudar budismo.

Verdadeiros mestres são aqueles que compreenderam o Darma de Buda e receberam o selo de aprovação de um mestre genuíno. Independe de juventude ou velhice. Não colocam os textos ou a compreensão comum em primeiro lugar. Possuindo extraordinária força e capacidade, livremente penetram os nós do bambu. Sem se prenderem a pontos de vista pessoais e livres de qualquer obsessão, mantêm sabedoria e prática em perfeita harmonia. Essas são as características de um verdadeiro mestre.

6. Conselho para a Prática do Zen

Zazen é de importância vital. Não deve ser negligenciado nem tratado superficialmente.

Na China, há excelentes exemplos de antigos mestres Zen que deceparam braços ou dedos pelo bem da verdade. (12)

Há muito tempo, Xaquiamuni Buda abandonou sua casa e deixou seu país — ambos sinais corretos da verdadeira prática do Caminho.

Hoje em dia há pessoas que dizem que devemos praticar apenas o que é fácil de praticar. Essas palavras estão erradas e muito distantes do Caminho. Se você se dedicar a uma coisa exclusivamente, considerando essa uma forma de treinamento, será impossível até mesmo deitar-se em paz. Se qualquer ação for feita com tédio ou desconforto, tudo se tornará entediante ou desconfortável. Você deve saber: aqueles que gostam das coisas fáceis são, por isso mesmo, indignos da prática do Caminho.

Nosso grande mestre Xaquiamuni só conseguiu alcançar o ensinamento que prevalece no mundo atual após se submeter a severos treinamentos por incontáveis eons no passado. Considerando-se quão dedicado foi o fundador do Budismo, podem seus descendentes deixarem por menos? Aqueles que buscam o Caminho não devem procurar a prática fácil. Quem assim o fizer jamais alcançará o mundo verdadeiro da iluminação ou encontrará a casa do tesouro.

Até mesmo o mais talentoso dos antigos ancestrais disse que o Caminho é difícil de praticar. Você deveria realizar quão profundo e imenso é o Darma de Buda.

Se o Caminho fosse originalmente tão fácil de praticar e entender, os primeiros e talentosos Ancestrais do Darma não teriam acentuado exaustivamente suas dificuldades.

As pessoas de hoje, quando comparadas aos antigos Budas Ancestrais, não são nem mesmo como um fio de pelo em um rebanho de nove vacas! Mesmo fazendo seu melhor, aquilo que consideram o mais árduo, não estão nem mesmo no começo de obterem o fácil treinamento e compreensão dos Budas Ancestrais, pois aos praticantes atuais falta força e conhecimento.

Qual é o ensinamento tão facilmente entendido e praticado que as pessoas de hoje, ingenuamente, tanto apreciam? Não é nem um ensinamento secular nem Budista. É inferior até mesmo às práticas devotadas aos demônios e espíritos do mal, assim como às das religiões não budistas e aos Dois Veículos.(13) Pode-se dizer que é a grande delusão dos homens e mulheres comuns. Embora imaginem ter escapado do mundo delusório, ficaram, ao contrário, meramente sujeitos à transmigração sem fim.

Quebrar os ossos e esmagar a medula é considerado uma prática difícil. No entanto é muito mais difícil controlar a mente. As práticas de prolongadas austeridades e pureza podem ser consideradas difíceis, mas harmonizar as ações físicas é o mais difícil.

Se o esmagamento de ossos valesse alguma coisa, os muitos que enfrentaram esse treinamento no passado deveriam ter alcançado a iluminação, mas de fato apenas alguns poucos conseguiram. Se as práticas de austeridade tivessem algum valor, os muitos que assim procederam desde tempos antigos teriam se tornado iluminados, mas neste caso também, poucos conseguiram. Tudo isso ocorre devido à grande dificuldade de controlar a mente.

No Darma de Buda, uma mente brilhante ou uma compreensão escolástica não têm importância fundamental. O mesmo se dá em relação à mente, consciência discriminatória, pensamento e percepção. Nenhum deles serve para nada, pois o Caminho só pode ser atingido através da harmonização do corpo e da mente.

Xaquiamuni Buda disse: “Girando a correnteza da percepção do som da mente (NT. Percepção do som é Avalokitehsvara Bodisatva, Kannon Bodisatva: quem vê, percebe os sons do mundo) para dentro, abandone o conhecer e o ser conhecido”. Aqui está o significado do que foi dito acima. As duas qualidades de movimento e de não movimento não apareceram de forma alguma. Esta é a verdadeira harmonia.

Se fosse possível penetrar o Caminho baseado em possuir uma mente brilhante e grande conhecimento, o culto Shinshu (Shên-hsiu)(14) teria sido, com certeza, capaz de fazê-lo. Se a origem modesta fosse obstáculo para penetrar no Caminho, como Daikan Eno (Hui-Neng)(15) se tornou um dos Budas Ancestrais chineses? Estes exemplos mostram, claramente que o processo de transmissão do Caminho não depende nem de uma mente brilhante nem de amplos conhecimentos. Ao buscarem o Darma, reflitam sobre si mesmos e treinem diligentemente.

Nem juventude nem idade avançada constituem obstáculos para entrar no Caminho. Joshu (Chao-Chou) (16) tinha mais de sessenta anos quando começou a praticar e ainda assim se tornou proeminente Ancestral do Darma. A princesa Teijo, filha de Cheng,(17) por outro lado, tinha apenas treze anos, mas já alcançara profunda compreensão do Caminho, tanto que se tornou uma das mais preciosas monjas de seu mosteiro. O poder do Darma de Buda se revela de acordo com o esforço realizado e se manifesta diferentemente em relação a ter havido, ou não, treinamento.

Aqueles que se dedicaram longamente ao estudo dos sutras (das escrituras), assim como aqueles versados em estudos seculares deveriam visitar um mosteiro Zen. Há muitos exemplos dos que assim o fizeram. Eshi (Hui-ssu) do monte Nangaku (Nan-Yueh)(18) era um homem inteligente, de muito estudo, e ainda assim se submeteu ao treinamento de Bodidarma. Yoka Dengaku (Hsüan-chüeh do monte Yung-chia) (19) era um grande erudito e, assim mesmo, treinou com Daikan Eno (Ta-chien Hui-nêng).(20)

O esclarecimento do Darma e a realização do Caminho dependem da força adquirida com o treinamento sob orientação de mestres Zen.

Ao visitar um mestre Zen em busca de instruções, ouça seus ensinamentos sem tentar adequá-los a seu ponto de vista — caso contrário, você não entenderá o que ele está dizendo. Purifique seu corpo, mente, olhos e ouvidos e simplesmente ouça sua orientação, sem misturar com outros pensamentos. Unifique corpo e mente e receba o ensinamento do mestre como se água estivesse sendo despejada de um vaso para outro. Procedendo assim, então pela primeira vez você estará pronto para receber o ensinamento.

Atualmente há algumas pessoas tolas que se dedicam a decorarem palavras e frases dos sutras ou se apegam àquilo que ouviram anteriormente. Agindo assim, tentam comparar isso com os ensinamentos de um mestre. Neste caso, entretanto, há apenas seus próprios pontos de vista e palavras de pessoas antigas. Conseqüentemente, as palavras do mestre seguem ignoradas.

Há ainda outros que, atribuindo maior importância ao seu próprio pensar auto-centrado, abrem os sutras e memorizam uma ou duas palavras imaginando que isso seja o Darma de Buda. Mais tarde, ao receberem o ensinamento do Darma de um mestre Zen iluminado, eles o consideram verdadeiro apenas se coincidirem com seus próprios pontos de vista; do contrário, acham que são falsos. Se os ensinamentos que você ouvir de um mestre Zen não coincidirem com suas opiniões, provavelmente é um bom mestre Zen. Se não houver diferenças de opinião no princípio, não será bom. Entretanto, as pessoas incapazes de abandonarem pontos de vista equivocados não podem ascender e retornar ao verdadeiro Caminho. São dignos de pena, pois estarão sujeitas à delusão. Que lamentável!

Praticantes budistas devem entender que o Darma de Buda está além do pensamento, da discriminação, da análise, de profecias e da imaginação, e também da introspecção, da percepção e da compreensão intelectual. Se não fosse assim, como é que, mesmo tendo sido dotado dessas várias faculdades desde o nascimento, você ainda não entendeu o Caminho?

Pensamentos, análises e assim por diante devem ser evitados na prática do Caminho. Embora o pensar e as outras atividades sempre sigam você, se as examinar verificará que sua claridade é como a de um espelho. Reflita e se auto-examine cuidadosamente..(20) O portal da Verdade só é conhecido pelos mestres Zen iluminados e não por estudiosos professores de palavras.

7. A Necessidade do Treinamento Zen na Prática Iluminação Budista.

O Darma de Buda é excelso entre muitos outros caminhos. Por essa razão, muitas pessoas o seguem. Durante a vida do Tathagata havia apenas um ensinamento e um preceptor. O Grande Mestre, sozinho, conduzia todos os seres com sua suprema Sabedoria.

Desde a transmissão inicial do Venerável Makakasho (Mahakashyapa), o Shobogenzo (Olho Tesouro do Verdadeiro Darma) tem sido transmitido por vinte e oito gerações na Índia, por seis gerações na China e por vários Budas Ancestrais das cinco escolas Zen(21), ininterruptamente.

Desde o período de Ryokai ( P’u-t’ung (520-526)), no estado chinês de Liang, todos os indivíduos verdadeiramente superiores, quer sejam monges, reis ou seus auxiliares, têm se refugiado no Zen Budismo.

Na verdade, pessoas capazes de amar a excelência devem amar a excelência. Não se pode amar o dragão, como o fazia Sekko (Yeh-kung).(22)

Em várias localidades ao leste da China, a trama dos estudiosos das escrituras de Buda cobriu mares e permeou as montanhas. No entanto, apesar de permear as montanhas, não contém o coração das nuvens. Embora espalhada sobre os mares, seca o coração das ondas. Os tolos se identificam com esse tipo de Budismo. Ficam fascinados por um olho de peixe — tomando-o por uma pérola — ou tratam como um tesouro raro uma pedra do monte Yen, pensando ser uma jóia preciosa. Muitas pessoas assim caem na armadilha de demônios e se perdem. Que lamentável!

Em locais distantes, os ventos dos ensinamentos falsos sopram livremente, sendo difícil prevalecer o verdadeiro Darma. A China, contudo, já obteve refúgio no verdadeiro Darma de Buda. Por que, então, não se difundiu em nossa terra ou na Coréia? Na Coréia, pelo menos o nome do verdadeiro Darma pode ser ouvido — até isso é impossível em nossa terra. Isto se deve a muitos que, no passado, foram estudar na China e aderiram ao grupo escolástico. Estudiosos que, embora tenham transmitido muitos textos Budistas, esqueceram-se da essência do Darma de Buda. De que vale isso? No final resulta em nada. E tudo porque não conheceram a essência da prática do Caminho. Que lamentável haver trabalhado tão duramente toda uma vida em vão.

Ao cruzar pela primeira vez o portal do budismo e iniciar o estudo do Caminho, ouça simplesmente os ensinamentos de um mestre Zen e pratique de acordo. Você deverá saber o seguinte: o Darma gira o eu e o eu gira o Darma.

Quando o eu gira o Darma, o eu está forte e o Darma fraco. No caso contrário, o Darma é forte e o eu, fraco. Embora esses dois aspectos existam desde muito nos ensinamentos de Buda, só pessoas que receberam a verdadeira transmissão o conhecem. Sem um bom mestre é impossível até mesmo saber o nome desses opostos. Quem não conhece essa chave, como pode praticar o verdadeiro Caminho? Como distinguir o certo do errado?

Quem estuda o Caminho através da prática de zazen transmite o significado desses opostos e não comete erros encontrados em alguns ensinamentos. É impossível compreender o verdadeiro Caminho sem a prática do Zen.

(*) Comentários explicativos do professor Gudo Wafu Nishijima Roshi na tradução conjunta com Chodo Cross – Wildbell Publications do livro Master Dogen’s Shobogenzo

NOTAS

1.(1) Nascido em uma família de Brahmanes, no sul da Índia, no segundo ou terceiro século, tornou-se um dos principais filósofos do Budismo Mahayana, sendo considerado como o Décimo Quarto Ancestral na linhagem da transmissão do Darma. Ele defendia a teoria de que todos os fenômenos são relativos , não tendo uma existência independente.
2.(2) No Budismo Mahayana se acredita que o fundador histórico do Budismo, Xaquiamuni Buda, atravessou inúmeras transmigrações antes de finalmente realizar a iluminação. Também se acredita que antes do Buda histórico houve milhares de pessoas que atingiram nível de Buda - um deles o Buda Pusya. Quando Xaquiamuni Buda, em uma de suas vidas anteriores, encontrou Pusya Buda, para mostrar seu respeito a ele, Xaquiamuni Buda permaneceu com um pé levantado por sete dias e sete noites entoando sutras.
3.(3) Kimnara é um deus indiano da música. Kalavinka é um pássaro mítico indiano de voz encantadora.
4.(4) Duas mulheres consideradas entre as mais belas cortesãs da antiga China.
5.(5) “Ensinamentos verdadeiros” refere-se propriamente aqueles do Saddarma-pundarika. Avatamsaka, e do Mahaparanirvana Sutra e “livros” incluem, todos os outros ensinamentos.
6.(6) Os ensinamentos esotéricos são encontrados nas escolas Shigon japonesa e Tendai. São doutrinas e rituais com grande influência do hinduísmo, que se desenvolveram na Índia durante os séculos sete e oito. Esses ensinamentos, com propriedades mágicas, apenas podem ser revelados àqueles que foram devidamente iniciados. Os ensinamentos exotéricos se referem a todos os outros ensinamentos.
7.(7) Pensava-se que todo o universo, em sua integridade, fosse constituído de um bilhão de mundos.
8.(8) Em inglês insight. De acordo com o Novo Dicionário Aurélio: Compreensão repentina, em geral intuitiva, de suas próprias atitudes e comportamentos, de um problema, de uma situação. Os outros três insights são: (1 ) que o corpo é impuro; (2) que a percepção conduz ao sofrimento; e (3) que a mente é não fixa.9.(9) A gota vermelha representa o óvulo da mãe e a gota branca, o esperma do pai.10.(10) A posição de que a iluminação surge gradualmente como resultado de leituras de sutras e práticas acumuladas era o pensamento da Escola Zen do Norte da China. Esta escola desapareceu e apenas a Escola Zen do Sul, que pregava a realização da iluminação súbita, permaneceu.11.(11) Este é outro nome de Xaquiamuni Buda. Significa uma pessoa que alcançou o ir e vir do Tathagata, o que é, a realidade absoluta que transcende a multiplicidade do mundo dos fenômenos.12.(12) Cortar o braço se refere a Eka (chinês Hui-ko 481-593), o segundo ancestral Zen na China, que cortou seu braço na presença de Bodidarma no templo de Shao-Lin para mostrar o quanto era sincero seu desejo de treinar com aquele mestre. Cortar o dedo refere-se a um dos discípulos de Chu-chi, que demonstrou o sentido do budismo para outras pessoas, apenas imitando o hábito de seu mestre de levantar o dedo. Um dia Chi-chi descobriu o que seu discípulo estava fazendo e cortou o dedo do discípulo para fazê-lo perceber a verdadeira natureza do budismo.13.(13) Ensinamentos dos Sravakas e Pratyebuddhas. Sravakas eram os que se esforçavam em ouvir e compreender os ensinamentos a fim de alcançar a iluminação – tornar-se um Arhat –sem se preocupar em salvar os outros. Pratyekabuddhas são pessoas que alcançaram a iluminação através de estudos independentes, sem orientação de um mestre. Não se preocupavam em salvar os outros.14.(14) Viveu entre 606-712. O fundador da Escola Zen do Norte da China. Foi líder dos discípulos de Hung-jen, (Konin em japonês) o Quinto Ancestral do Darma. Sua compreensão do Caminho era altamente intelectual, o que impedia de realizar a iluminação total.15.(15) Viveu entre 637-712. Foi o sucessor de Hung-jen (Konin em japonês). Iluminou-se durante o trabalho de separar a casca do arroz, quando treinava no Monte Huang-mei.16.(16) Viveu entre 778-897, foi sucessor de Nansen (Nan-ch’uan). Ficou conhecido pelo koan “mu”.17.(17) Nada mais sobre ela é conhecido.18.(18) Viveu entre 514 ou 515 até 577. É considerado o Segundo Ancestral da Escola Chinesa Tendai. Após haver treinado com o mestre Hui-weng, em 570, foi para o Monte Nan-yueh, onde mais tarde morreu. É famoso por ter escrito um número importante de livros sobre o budismo.19.(19) Viveu entre 665-713, é famoso por ter escrito a “Canção da Iluminação” (Cheng-tao-ko).20.(20) Superficialmente, a advertência imediatamente precedente de evitar “pensamento, discriminação e assim por diante, parece ser contraditada aqui. Entretanto, essas duas afirmações não estão realmente em conflito: para “pensamento, e assim por diante”, que é para ser usada em última instância, está baseada como deve ser na prática real, não é o pensamento conceitual, e assim por diante, do anterior. Este é um dos pontos chaves da Soto Zen.21.(21) As vinte e oito gerações na Índia iniciam com o chefe discípulo de Buda, Makakasho (Mahakashyapa) e se extendem a Bodidarma. As seis gerações na China, em ordem cronológica: Bodidarma, Taiso Eka, Kanchi Sosan, Daii Doshin, Daiman Konin, Daikan Eno. Os fundadores das cinco escolas Zen: Yun-men, Wei-yang, Ts’ao-tung, Lin-chi e Fa-yen.22.(22) Fukanzazengi – Recomendações Gerais de Zazen, de Mestre Eihei Dogen23.(23) A capacidade de iluminação presente em todos os seres24.(24) Ser absoluto, além dos conceitos relativos de ser e não ser
25.

Tradução revisada pela Monja Coen em 2009

Bibliografia

Zen Master Dogen -On Introduction with selected Writings - Yuho Yokoi with Daizen Victoria – Weatherhill, New York- Tokyo - 1976

Master Dogens Shobogenzo – Gudo Nishijima & Chodo Cross – Windbell Publications, MA – US 1994

Zen is Eternal Life – Jiyu Kennett Roshi - Shasta Abbey Press – CA US – Fourth edition 1999

Moon in a Dewdrop – writings of Zen Master Dôgen – edited by Kazuaki Yanahashi – North Point Press – San Francisco US 1985

8. A Conduta de Monges e Monjas Zen

O verdadeiro Darma tem sido diretamente transmitido até o presente desde a época dos Budas Ancestrais, através dos vinte e oito Ancestrais do Darma da Índia e dos seis da China, sem que nada fosse acrescentado, nem mesmo um fio de cabelo; sem que nada fosse destruído, nem mesmo uma única partícula de pó.

Com a transmissão da okesa (manto) de Buda para Daikan Eno (Hui-neng), o Darma se espalhou pelos vários mundos. No momento, o tesouro do verdadeiro Darma do Tathagata está florescendo na China.

O Darma não pode ser pego nem mesmo procurado. As pessoas que viram o Caminho esquecem-se até mesmo do conhecimento do Caminho e transcendem a consciência relativa. No nível da visão, o conhecimento perece. No momento da obtenção, a mente é superada.

Daikan Eno (Hui-neng) perdeu sua face enquanto treinava no Monte Obai (Huang-mei). Eka (Hui-ko), o segundo Ancestral da China, mostrou a seriedade de suas intenções cortando fora o próprio braço em frente à caverna de Bodidarma, realizando, através desta ação, a essência do budismo e transformando a mente-delução em iluminação. Depois fez uma profunda e respeitosa reverência em frente a Bodidarma e retornou a sua posição original. Obteve a liberdade vital absoluta, sem ficar nem no corpo nem na mente, completamente livre de procura, de apegos, de estagnações e de limites.

Um monge perguntou à Joshu (Chao-chou), “Cachorro tem Natureza-Buda”?(23) Joshu (Chao-chou) respondeu: “Mu!” (“Wu”).(24) Como agarrar ou medir mu (wu)? Não há onde se agarrar, não há o que pegar.

Entregue-se. Questione-se: O que são corpo e mente? O que vem a ser conduta Zen? O que são nascimento e morte? O que é o Darma de Buda? Quais são as ocupações do mundo? E o que são, essencialmente, montanhas, rios e terra ou seres humanos, animais e casas?

Se continuar a fazer essas perguntas, os dois aspectos — movimento e não movimento — claramente não surgirão. Este não surgir não significa inflexibilidade. Não há nada fixo. Infelizmente, poucas pessoas o percebem e muitas sofrem, deludidas.

Praticantes Zen podem obter a iluminação no processo do estudo e da prática. Portanto, é minha sincera esperança que vocês não parem de treinar mesmo após terem obtido completa iluminação. Esta é realmente minha prece.
.

9. A Necessidade de Praticar de Acordo com o Caminho

Pessoas corajosas, que estudam o Caminho, devem primeiramente descobrir se estão olhando na direção certa. Xaquiamuni Buda, capaz de harmonizar e controlar seu corpo, fala e mente, sentou-se em zazen sob a árvore bodai. Subitamente, ao ver a estrela da manhã, se tornou iluminado, realizando o Caminho Supremo, o veículo insuperável. Este caminho de iluminação está muito além dos Sravadas e Pratyekabuddhas. Apenas Budas podem alcançar o estado Buda. A iluminação que Buda alcançou através de seu próprio esforço tem sido transmitida de Buda para Buda sem interrupção até os dias de hoje. Como podem aqueles que alcançaram a iluminação não se tornarem Budas?

Andar o Caminho significa conhecer seu aspecto e sua grande extensão. O Caminho está sob os pés de cada ser. Quando você se torna um com o Caminho, descobre que o Caminho está exatamente onde você está, realizando assim a perfeita iluminação. Entretanto, se sentir orgulho de sua iluminação, mesmo que esta seja muito profunda, se tornará apenas uma iluminação parcial. Assim é a prática do Caminho.

Aqueles que apenas estudam o Caminho não sabem se o Caminho está aberto ou fechado, para onde leva e onde termina. Desejam milagres, resultados visíveis. Quem, entre eles, não está cometendo erros? São como crianças que abandonando tanto o pai como a fortuna do pai e da mãe, fogem de casa. Apesar de terem pai rico e serem filhos únicos, podendo algum dia herdarem tudo, tornam-se mendigos, buscando fortuna em lugares distantes. Este é verdadeiramente o caso.

Estudar o Caminho é se tornar um com o Caminho — esquecer até mesmo qualquer traço de iluminação. Aquele que praticar o Caminho deve em primeiro lugar acreditar nele. Aqueles que crêem no Caminho devem acreditar que têm estado no Caminho desde o princípio: não perdidos, não deludidos, sem pensamentos ilusórios e idéias confusas, sem aumento, decréscimo ou qualquer compreensão enganosa. Assim creia, assim clarifique e assim pratique o Caminho — esta é a essência de estudar o Caminho.

O segundo método de treinamento budista é eliminar a função da consciência discriminativa e afastar-se do caminho da compreensão intelectual. Este é o modo como os noviços devem ser guiados. A partir de então, eles serão capazes de abandonar corpo e mente, libertando-se das idéias de delusão e iluminação.

Em geral existem apenas alguns poucos que acreditam estar no Caminho. Se você apenas acreditar que está verdadeiramente no Caminho, será naturalmente capaz de compreender o seu funcionamento e também o verdadeiro significado de delusão e iluminação. Faça uma tentativa de eliminar a função da consciência discriminatória e então, subitamente, você terá quase realizado o Caminho.

10. A Realização Direta do Caminho

Existem duas maneiras de penetrar corpo-mente. Uma é treinar com um verdadeiro mestre Zen, ouvir seus ensinamentos. A outra é fazer puro Zazen. Ao ouvir os ensinamentos, a mente consciente e discriminatória trabalha, enquanto em Zazen prática é iluminação. Para compreender a Verdade, ambos são necessários.

Todos os seres vivos possuem corpo-mente, mas o comportamento varia: forte ou fraco, corajoso ou covarde. É através de nosso corpo-mente que nos iluminamos — isto é receber o ensinamento.

Não há necessidade de mudar o corpo-mente atual. Apenas siga o Caminho Iluminado de um bom Mestre Zen e receba os ensinamentos diretamente. A isto se chama atingir o alvo diretamente. Não siga seus antigos hábitos nem crie novos hábitos. Simplesmente receba o ensinamento. Quando atingir o alvo completamente, perceberá que não há nenhum novo ninho para se assentar. Apenas a realização direta do Caminho.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Homenagem ao Dalai Lama - 12.08 em São Paulo

* clique na imagem para ampliar

MESA REDONDA:

Padre José Bizon – Presbítero da Arquidiocese de São Paulo
e Diretor da Casa da Reconciliação

Monja Coen - Primaz Fundadora da Comunidade Zen Budista

Prof. Dr. Arthur Shaker – Professor de Ciência da Religião da PUC-SP
e orientador do Centro Buddhista Casa de Dharma

Lama Rinchen Kyenrab – Representante da tradição Sakya Tsarpa
do Budismo Tibetano no Brasil e América Latina

Lia Diskin - Co-Fundadora da Associação Palas Athena

ENTRADA FRANCA

Retiro Medicina Interior - 26, 27 e 28 de Agosto em Cuiabá


Queridos amigos, irmãos e irmãs na humanidade,

Informamos abaixo a programação do retiro com o Dr. Ênio Burgos, que acontecerá nos dias 26, 27 e 28 de agosto de 2011.

Destacamos que, diferentemente do divulgado anteriomente, o retiro será em Cuiabá, na Academia Ligia Prieto!

Aproveitem, façam suas inscrições! O número de vagas é limitado!!!

Aos participantes, recomendamos a leitura do livro "Medicina Interior, a medicina do coração e da mente"

Retiro Silencioso: “Medicina Interior – A medicina do coração e da mente”
Dias: 26, 27 e 28 de agosto de 2011
Local: Academia Ligia Prieto - CUIABA - MT
Orientador: Ênio Burgos.

Dr. Ênio Burgos é médico, físico e escritor, sendo autor de diversos livros, dentre eles "Medicina Interior, a medicina do coração e da mente". Destacamos ainda o fato de ser tradutor de Thich Nhat Hanh no Brasil.
.
Será um retiro onde estaremos aprofundando a prática da meditação (sentada, andando e na alimentação).
.
Mais informações e inscrição:
Fone: (65) 3052-6634 – Ligia - Academia Ligia Prieto
Conheça o blog da Associação Meditar de Cuiabá!
* http://www.associacaomeditardecuiaba.blogspot.com/ *

sábado, 6 de agosto de 2011

Tal como as folhas, possuímos muitos pés



Por Thich Nhat Hanh

Certo dia de Outono, eu estava num parque, absorto na contemplação de uma minúscula e bonita folha com o feitio de um coração. A sua cor era quase vermelha e mal estava presa ao ramo, prestes a cair. Passei longo tempo com ela e fiz-lhe uma série de perguntas. Descobri que a folha tinha sido uma mãe para a árvore. Normalmente, pensamos que a árvore é a mãe e as folhas são apenas filhas, mas, enquanto a observava, vi que ela era também uma mãe para a árvore. A seiva que as raízes assimilam é apenas constituída por água e minerais, os quais não são suficientes para alimentarem a árvore. Por isso, a árvore distribui a seiva pelas folhas e as folhas transformam a seiva em bruto em seiva refinada e, com a ajuda do Sol e do vapor, devolvem-na à árvore para que ela se alimente. Por conseguinte, as folhas são também uma mãe para a árvore. Uma vez que a folha está ligada à árvore por um pé, a comunicação existente entre ambas é facilmente observável.

Nós já não possuímos um pé a ligar-nos à nossa mãe, mas quando estávamos no seu útero, tínhamos um longo pé: o cordão umbilical. O oxigénio e o alimento de que necessitávamos chegava-nos através desse pé. Porém, no dia em que nascemos, este foi cortado e ficámos com a ilusão de que nos tornáramos independentes. Ora isso não é verdade; continuamos a depender da nossa mãe durante muito tempo e possuímos muitas outras mães também. A Natureza é a nossa mãe. Temos uma grande quantidade de pés que nos ligam à nossa Mãe Natureza. Há pés que nos ligam às nuvens. Se não houver nuvens, não haverá água para bebermos. Somos constituídos por 70% de água no mínimo e o pé que nos liga à nuvem existe realmente. O mesmo acontece no caso do rio, da floresta, do lenhador e do agricultor. Existem centenas de milhares de pés que nos ligam a tudo o que existe no Cosmos, ajudando-nos e tornando possível que existamos. Consegue ver a libação existente entre mini e si? Se você não estiver aí, eu não estou aqui. Isto é mais que certo. Se você ainda não a viu, por favor, observe-a com mais atenção e estou certo de que a verá.

Perguntei à folha se esta estava assustada por ser Outono e as outras folhas estarem a cair. A folha disse-me: «Não. Durante toda a Primavera e todo o Verão estive inteiramente viva. Trabalhei muito para ajudar a alimentar a árvore e agora uma grande porção de mim está na árvore. Não estou limitada a esta forma. Também sou toda a árvore e, quando regressar ao solo, continuarei a alimentar a árvore. Por isso, não me preocupo nada. Quando deixar este ramo e flutuar até ao chão, acenarei à árvore e dir-lhe-ei “Ver-te-ei muito em breve”.»

Nesse dia fazia vento e, passado um bocado, vi a folha deixar o ramo e flutuar até ao solo, dançando alegremente, pois, enquanto flutuava, via-se já ali, na árvore. Estava tão feliz. Curvei a cabeça, com a noção de que tenho muito a aprender com a folha.

Todos estamos ligados uns aos outros

Há milhões de pessoas que assistem a eventos desportivos. Se você adora assistir a um jogo de futebol ou de basebol, provavelmente torce por uma equipa e identifica-se com ela. Pode assistir aos jogos com desespero e com júbilo. Talvez dê um pontapé ou se balance para ajudar a bola a seguir caminho. Se você não tomar um partido, o jogo perde a graça. Nas guerras também tomamos partido, normalmente o do lado que está a ser ameaçado. Os movimentos pela paz nasceram deste sentimento. Zangamo-nos, gritamos, mas raramente nos elevamos acima de tudo isto para observarmos um conflito da mesma forma que uma mãe observa os seus dois filhos à bulha: ela apenas pretende a sua reconciliação.

Existe um ditado vietnamita muito famoso: «Para lutarem uns contra os outros, os pintainhos nascidos da mesma mãe galinha põem cores nos seus rostos.» Pôr cores no nosso próprio rosto significa tornarmo-nos estranhos perante os nossos irmãos e as nossas irmãs. Apenas conseguimos alvejar outras pessoas quando estas são desconhecidas. Os esforços verdadeiros no sentido da reconciliação ocorrem quando vemos à luz da compaixão e esta capacidade surge quando vemos claramente a natureza da interexistência e da interpenetração de todos os seres.

Na nossa vida, podemos ter a sorte de conhecer alguém cujo amor se estende aos animais e às plantas. Podemos também conhecer pessoas que, apesar de viverem numa situação segura, se apercebem de que a fome, a doença e a opressão estão a destruir milhões de pessoas na Terra e que procuram maneiras de ajudar aqueles que sofrem. Não conseguem esquecer os oprimidos, mesmo no meio da pressão das suas próprias vidas. Estas pessoas aperceberam-se, pelo menos até certo ponto, da natureza interdependente da vida. Sabem que a sobrevivência dos países subdesenvolvidos não pode ser separada da sobrevivência dos países materialmente ricos e tecnica¬mente avançados. A pobreza e a opressão trazem a guerra. Nos tempos de hoje, qualquer guerra implica todos os países. O destino de cada país está ligado ao destino de todos os outros.

Quando será que os pintainhos filhos da mesma mãe tirarão as cores dos seus rostos e se reconhecerão como irmãos e irmãs? A única forma de acabar com o perigo é cada um de nós fazer isso e dizer aos outros: «Sou teu irmão», «Sou tua irmã», «A humanidade somos todos nós e a nossa vida é só uma».



Extraído do livro "Paz a cada passo"; de Tich Nhat Hanh.