A Associação Meditar é uma sociedade civil sem fins lucrativos, não religiosa ou doutrinária. O primeiro núcleo surgiu em Porto Alegre-RS, e, atualmente, possui núcleos nas cidades de Santa Cruz do Sul, Lajeado, Novo Hambugo, Santa Maria, São Francisco de Paula, Capão da Canoa, Florianópolis, Chapecó e Cuiabá.

A Associação Meditar se propõe a: Difundir a prática da meditação; Congregar os praticantes da meditação; Coletar e divulgar os benefícios à saúde física e mental promovidos pela prática adequada da meditação; Criar, apoiar e promover a difusão de locais adequados para a prática de meditação (Núcleo ou Centros Meditar) no Brasil e no exterior; inclusive, com sedes rurais para abrigar seus membros em vida comunitária voltada à meditação, ao estudo, ao trabalho natural na terra, à contemplação da natureza.

Dedica-se a orientar a iniciação e o desenvolvimento das pessoas (empresa, escolas, associações) na meditação de forma clara, simples, objetiva e segura; Promover cursos, palestras, workshops, retiros e atividades voltadas à prática da meditação; Incentivar e promover a atitude mediativa, altruísta e pacífica, que implique na paz interna e externa, na não-violência, no respeito pela natureza, alimentação natural, bons valores humanos, no conhecimento e na sabedoria.

A Associação Meditar de Cuiabá se reúne as 4ª feiras - 20 h - e aos sábados - 8 h - para meditar e estudar na Academia Ligia Prieto. Endereço: Rua Min.João Alberto, 137 – Araés - Cuiabá. Informações pelo tel. (65)3052-6634.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Videofórum "As religiões do mundo e a ética global"

5º ENCONTRO Budismo – trazer valores para o aqui e o agora


Numa palestra emotiva, Ivan Deus Ribas, da Associação Meditar de Cuiabá, acolheu a platéia que esteve presente no quinto encontro do videofórum “As religiões do mundo e a ética global”, realizado quinta-feira, 10 de junho, sobre o Budismo.


Para falar sobre o Budismo, disse Ivan, é preciso voltar 2.600 anos e fazer uma viagem ao mundo oriental. O Budismo nasce na Índia e vai se ramificando por diversos países, até chegar ao Brasil, onde ainda tenta encontrar identidade própria dentro da nossa cultura.


Aliás, a resposta para essa pergunta – Budismo é religião ou filosofia? – ajuda a compreender a complexidade dos conceitos inspirados por Buda, figura mais representada em todo o Planeta, junto com Jesus Cristo.


O vídeo, do alemão Hans Küng, diz que, no entanto, tanto Buda, quando Cristo, jamais aceitariam qualquer veneração, pois ambos são exemplos de alta elevação espiritual e que ensinaram o desapego, o fazer o bem e o encontro consigo mesmo, que, no Budismo, é marcado pela prática da meditação.


“Quem medita, toma contato com as próprias dificuldades”, afirma Ribas.

O Budismo se mostra filosófico quando nos propõe refletir sobre quatro perguntas: O que é o sofrimento? Como ele surge? Como pode ser superado? Qual é o caminho para que seja superado? E se mostra uma religão, quando favorece a ligação entre o homem e o divino, que habita todos nós, em cidades e em rincões isolados.


O vídeo tratou ainda de alguns conceitos budistas. A sangha, que é a comunidade budista; o darma que é a doutrina. E de algumas ramificações.

O Budismo não foca em um Deus criador de todas as coisas, mas em uma idéia que se propõe mais complexa, que é a origem de tudo, a energia que move e a interligação desse tudo. No final das contas, também culmina na mesma idéia de criação universal, força que nos move e guia e a interdependência já dita em outro encontro simbolizada, por exemplo, pelo Yin-yang .


Ribas, no entanto, afirma que isso é menos importante: os conceitos. Segundo ele, o importante mesmo é trazer para o aqui e o agora esses valores de bem fazer, usando-os na rotina, para compreendermos a vida, na perspectiva do amor e da compaixão.


No Budismo, de acordo com o documentário, ao invés da genuflexão dos católicos, os praticantes lançam-se por terra, em sinal de profundo respeito. Nos rituais, cantam sutras e mantras, para criar um ambiente propício ao contato espiritual entre o ser e o divino.


Para Hans Küng, o Budismo se alinha a outras religiões quando massifica quatro idéias universais por uma ética global: não matar, não mentir, não roubar e abster-se da devassidão sexual. O monge budista faz um espécie de compromisso consigo mesmo para não agir incorretamente. Por exemplo: "Prometo abster-me de matar..."


Se são quatro exigências fundamentais para uma ética global encontradas em várias religiões, no Budismo há ainda uma 5ª, que é abster-se de bebidas inebriantes.


O palestrante citou algumas vezes a monja Cohen, de São Paulo, monja zen budista brasileira e missionária oficial da tradição Soto Shu.


Para finalizar, a platéia fez algumas perguntas inquietantes. Entre elas: por que uma religião que cresceu e se ramificou sobre os pilares da paz tem origem em região tão bélica?


Para Ivan Ribas, as sociedades são heterogêneas. Enquanto há aqueles que trabalham pelo bem e pela paz, há também os que ainda não compreenderam esta verdade. Segundo ele, no entanto, o diálogo entre as religiões está ocorrendo em vários pontos do Brasil e do planeta e a tendência é que caminhemos, seja através de uma religião ou de outra, rumo a relações pacíficas, em um mundo onde caberão homens e mulheres com direitos iguais, sem armas, sem bomba atômica, menos barulhento e envolto pelo silêncio curativo.

Keka Werneck, da Assessoria de Imprensa do Centro Burnier Fé e Justiça(65) 3023-2959(65) 9922-9445


Nenhum comentário:

Postar um comentário